Anthony Giddens e a teoria da estruturação

Maria Saudade Baltazar

Resumo


O presente artigo versa sobre o contributo teórico de Anthony Giddens, pela visibilidade e impacte que a sua obra sociológica tem vindo a assumir como um relevante modelo conceptual para as ciências sociais, em geral, e para a teoria sociológica, em particular, associado a uma abordagem de caráter crítico.

A relação entre a permanência (estrutura) e o movimento (ação social), perspetivada na sua teoria da estruturação, representa de facto a componente base da sociedade, uma vez que é esta dualidade que torna a sociedade possível e molda o seu caráter ora na direção da permanência, ora na direção da mudança.

Em síntese, o presente artigo é uma revisita a um trabalho anterior [1], que face à pertinência do seu conteúdo se justifica a sua divulgação nesta revista para estimular e aprofundar o debate científico-pedagógico junto dos doutorandos em Sociologia, sobre os sistemas sociais, contextualizando o seu lugar no tempo-espaço, e problematizando a ideia de estrutura como uma certa ordem virtual de diferenças, dita no sentido giddensiano, produzida e reproduzida no âmbito das interações sociais.

Texto Completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2183-9220

Apoios:

Com a colaboração técnica dos Serviços de Informática da Universidade de Évora